AIKIDO e Psicologia Biodinâmica – Uma Dinâmica de Harmonia

Apresentação

 

A escolha do tema se deve pelo fato de eu ser praticante dessa arte marcial japonesa, Aikido , há 16 anos .

Desde o início da minha formação em Psicologia Biodinâmica percebia muita afinidade nos conceitos que integram a proposta terapêutica da Psicologia Biodinâmica com os princípios filosóficos e espirituais que norteiam a prática do AIKIDO.

Em muitos momentos no consultório em atendimento com meu paciente me percebo com a mesma postura do espírito marcial que o AIKIDO propõe e a postura do terapêuta Biodinâmico.

Hoje em dia cada vez mais minhas ações na clínica Biodinâmica estão muito associada e integrada com o espírito do AIKIDO , a ponto de já estar transformando meu setting terapêutico em um “DOJO” também.

Ao longo dessa monografia pretendo  apresentar o conceito básico que norteia o AIKIDO e fazer um diálogo com a Psicologia Biodinâmica a partir dos seus princípios da conduta e postura do terapeuta Biodinâmico.

 

Introdução

 

Inicialmente farei uma breve apresentação da origem do AIKIDO, para que assim seja possível localizar no no contexto histórico em que essa nobre arte marcial foi concebida.

Darei também a noção de como se organiza a prática do AIKIDO, a relação dos praticantes o conhecimento dos  nomes em japonês em seus significado.

Abaixo alguns dos termos utilizados nesse trabalho:

O’Sensei – Fundador do AIKIDO, é conhecido como O-Sensei (“Grande Professor” ou “Grande Mestre”)

Dojo – é o local onde se treinam artes marciais japonesas, mais do que uma simples área, odojo deve ser respeitado como se fosse a casa dos praticantes

Uke – é a pessoa que  começa a atacar primeiro o seu parceiro para posteriormente receber a técnica que estiverem treinando.

Tori  – é a pessoa que executa, aplica a técnica do ataque exercido pelo uke.

KI – energia vital

Chave – técnica desenvolvida para o encerramento de um ataque.

 

Aikido – 合気道

 

Histórico

 

É uma arte marcial criada no Japão após a 2ª grande guerra, pelo mestre Morihei Ueshiba(1883-1969). O conceito fundamental desta arte marcial consiste no princípio da harmonia, seja entre seus praticantes, seja entre estes e o universo que os rodeia.

Para entender o Aikido, precisamos analisar a vida de seu fundador: Morihei Ueshiba, também chamado Ô-Sensei (“grande mestre”), foi praticante de vários estilos de artes marciais, tornando-se um exímio praticante em todas elas, principalmente, a partir de 1915, o daito-ryu jujutsu, com sensei  Sokaku Takeda.

 

Contudo, em todas as artes marciais havia o conceito de vencer, ou destruir o inimigo, pois todas elas foram desenvolvidas, e transmitidas através de gerações, por antigos Samurais, a partir de suas experiências nos campos de batalhas, onde o objetivo era a vitória, com a aniquilação do inimigo.

 

Em 1919, O’Sensei conheceu o mestre Onisaburo Degushi, da seita Omoto-kyu, e com ele aprendeu uma técnica espiritual chamada Chin Kon Kishin, por meio da meditação concentrada, aumentando sua serenidade e reforçando nele os conceitos da harmonia.

 

Consciente de que não poderia haver harmonia na destruição, Ô-Sensei começou a desenvolver os conceitos de sua própria Arte Marcial, onde não mais havia a idéia de vencer ou destruir um inimigo, mas pura e tão somente a de encerrar um conflito.

 

Fundou, então a “Escola Ueshiba” e, em 1923, deu a sua Arte Marcial o nome de Aiki Bujutsu; passou a viajar pelo Japão ensinando-a, sendo que sua fama e sua incrível habilidade, rapidamente se espalharam.  Foi no fim da 2ª Grande Guerra que a Arte marcial de Ô Sensei passou a ser denominada Aikido.

 

Significado

 

O termo Aikido é composto por três caracteres kanji:

 


Ai:   harmonia        合
Ki:   energia            気
Dô : caminho          道

 

Em tradução livre, “caminho da harmonização das energias“.

 

O termo AI que significa HARMONIA refere-se à característica do Aikido de que, para controlar um oponente, primeiramente é necessário tornar-se um só com ele, para em seguida, como um só conjunto, dominá-lo.  O conceito básico deste princípio é nunca se opor ao golpe ou esforço do oponente; se ele puxar, empurre. Se ele empurrar, gire o corpo, de forma a, em ambos os casos, usar o impulso do oponente em seu benefício.

 

KI significa a ENERGIA empregada neste ato.

Trata-se de uma energia universal, existente em todas as coisas.

 

O DO significa o CAMINHO, no sentido de caminho de uma evolução pessoal e espiritual.Representa a trajetória percorrida pela pessoa em busca dessa harmonia e é exatamente o mesmo significado do Tao, no Taoísmo.

 

Com base nestes princípios é possível ao praticante dominar oponentes com força física muito superior à sua própria.

 

O termo AIKI representa o princípio universal de todas as coisas, é a força que une e harmoniza os elementos do universo. Refere-se ao princípio da luta de absorver o movimento dos atacantes para controlar suas ações com o mínimo esforço.

 

Princípios

Uke e Tori

 

Uma das chaves para que esta harmonização ocorra é autoconhecimento.

 

Não é possível pensar em harmonização sem pensar em pacificação, por isso, é importante destacar que um dos principais preceitos do Aikido é a “não violência”.

 

Nas palavras de Ueshiba, “aqueles que procuram a competição estão cometendo um grave erro. Bater, ferir ou destruir é o pior pecado que o ser humano pode cometer” (UESHIBA Stevens, 1995).

 

Seguindo esta concepção, Ueshiba, apesar de algumas resistências ideológicas contrárias, ao criar os princípios e diretrizes do AIKIDO, vetou a possibilidade de competição por acreditar no espírito de cooperação e harmonia entre os praticantes.

A característica citada da não violência se reflete principalmente na forma de como a defesa é realizada pelo tori e concomitante  a forma de como o uke reage a  energia da técnica de defesa do nague.

 

Quando a técnica é realizada corretamente e sem agressividade pelo tori, não provoca ferimentos ou prejuízos no uke, mas, ao contrário, apesar de inicialmente provocar desconforto e dor, promove benefícios neste, uma vez que pode ajudar  na melhora da flexibilidade e do condicionamento físico, além de ativar pontos de energia que habitualmente ficam “adormecidos”.

 

As lesões, quando ocorrem, são normalmente produzidas:

 

  1. a) por erro de execução do tori,
  2. b) por descontrole do tori quando não percebe o limite corporal do uke, ou
  3. c) por falha do uke, por não ter se apropriado devidamente da técnica e, portanto, estar inseguro, tensionando indevidamente o corpo, provocando assim uma sobrecarga desnecessária sobre músculos , articulações, e até mesmo emocionalmente e cair de forma incorreta ou ter dificuldade de seguir o fluxo do movimento proposto.

 

Trata-se, portanto, de uma autodefesa sofisticada, pois neutraliza o ataque sem utilizar métodos brutais e violentos contra o agressor. É, por conseqüência, de mais difícil execução, pois exige um completo domínio dos movimentos e paz interna por parte do tori, que deve mobilizar corretamente as partes do corpo, modulando energia e força, na medida necessária para neutralizar o ataque. Qualquer movimento incorreto, desnecessário ou excessivo pode provocar lesões tanto no uke (atacante) como no tori (que promove a defesa). A finalização do ataque  acontece porque o uke, ao ser imobilizado pelo tori, fica sem condições de prosseguir em sua investida contra este.

 

A potência de cada movimento deve ser na medida certa para afastar o ataque, levando-se em conta a espécie de ataque e a quantidade de energia ali empregada.

 

Percebe-se, portanto, que no AIKIDO deve-se estar atento e consciente de qual posição ocupamos durante a prática de forma a obtermos o melhor beneficío seja na função de UKE ou de TORI.

 

Outras considerações


Outro aspecto do Aikido, que o caracteriza como um Budo, é a de buscar, através de sua prática, um aprimoramento pessoal e espiritual. Os antigos mestres ensinaram que os guerreiros  não faziam distinção entre o mundo físico e o espiritual.Desta forma, se elegante e refinada era sua técnica, refinado e elegante era seu espírito. E portanto, empenhando-se nos treinamentos para aprimorar sua técnica, o praticante aprimorava, também, seu espírito.

Desta forma, os golpes de ataque e defesa no AIKIDO não tem a intenção de competição, ou qualquer manifestação de agressividade ou violência, o que não quer dizer que esses golpes não estejam “carregados de energia” de “ KI”. Pelo contrário, o praticante aprende a resignificar a qualidade da intenção e a presença física/emocional durante o treino de forma a controlar a agressividade, trabalhar a insegurança, tornando-se mais centrado e equilibrado em qualquer situação.

 

Vejo o Aikidô como a arte da transformação. Uma ferramenta que possibilita o desenvolvimento de nossos potenciais ,físico, emocional , espiritual, e transformar situações aparentemente conflitantes em algo mais favorável. Quando conseguimos transferir isso para nosso dia-a-dia, a prática se torna mais prazerosa.

 

Psicologia Biodinâmica

 

O que é

Tem como princípio o respeito à singularidade de cada ser humano, buscando incentivar sua criatividade, potência e espontaneidade de forma afetiva, tolerante e não-invasiva. Enfatiza o amor, o prazer, o conhecimento, o trabalho e a espiritualidade como fundamentos de uma existência plena.

Encontra aplicação prática na Análise Biodinâmica, que, partindo do cuidado com a relação terapêutica, elemento primordial do processo, propõe-se a perceber cada pessoa como única, propiciando uma intervenção adaptada às suas necessidades e possibilidades e que lhe permita conscientizar o que é inconsciente em um processo gradual e profundo.

Enfatiza a proposta de fazer amizade com a resistência e dissolver couraças sem quebrá-las

Filia-se como descendente também do pensamento de Wilhelm Reich ao:

– valorizar o trabalho corporal na análise como decorrência de uma compreensão do ser humano em sua realidade somática;

aceitar a importância da respiração e do aparelho locomotor na dinâmica emocional;

– fazer uso do conceito de uma bioenergia em seu raciocínio clínico;

– dar importância primordial, na teoria e na prática, à capacidade humana de autorregulação somática e psíquica;

– entender a importância de analisar o caráter e agir sobre a couraça muscular;

– valorizar a vitalidade e o prazer como aspectos fundamentais da existência humana;

– mostrar um pendor para o otimismo e a esperança quanto ao futuro da humanidade e à capacidade de cada ser humano superar os obstáculos internos e externos à felicidade individual e coletiva;

– defender com paixão a vida em seus múltiplos aspectos;

– manifestar simpatia pelo que é espontâneo

 

Postura do Terapeuta Biodinâmico

E a relação UKE/TORI

 

Frequentemente quando falamos de Aikido estamos em geral , comparando-o a outras artes marciais ou a esportes de combate para dizer o que essa arte não é, ou seja não tem como meta a competição,

 

É bastante delicado e sutil apresentar o AIKIDO naquilo que ela tem de particular ou seja a relação de Uke / Tori.

 

A intensão nesse trabalho não é o de fazer um relato sobre as técnicas  praticadas no AIKIDO, e sim abordar o espiríto que norteia a relação entre o UKE(o atacante) e TORI (o que recebe o ataque) .

 

É nessa particularidade que vou me ater e pretendo compartilhar o que percebo de afinidade do AIKIDO com o espírito da Psicologia Biodinâmica enquanto terapeuta.

 

Os princípios do aikido, conforme foi relatado acima, aplicam-se e se desenvolvem a partir da qualidade da relação entre o Uke e TORI.


É uma prática que  não reside apenas no fato de saber executar as chaves enquanto TORI(aquele que recebe o ataque) é antes de qualquer coisa  poder “viver” essa chave* específica de um golpe  enquanto Uke(atacante), a partir da habilidade e capacidade do TORI de transformar a força do ataque do  movimento do UKE, em uma energia de construção harmonizada que é retornada para o UKE a partir do TORI.

 

Sempre observo que quando estamos  no Dojo para a prática do AIKIDO é impossível nos iludirmos em relação ao nosso real estado de espírito emocional, psicológico no momento da prática, ou seja se estivermos irritados , ansiosos ou até mesmo com medo ao realizar qualquer movimento enquanto Uke(atacante) e TORI (que recebe o ataque), esse movimento estará carregado  da qualidade dessa energia, não tem como esconder ,camuflar esse sentimento no momento da prática.

 

O paralelo que quero  estabelecer nessa descrição é o papel da relação do paciente e terapeuta na clínica biodinâmica.

 

O paciente chega para a sessão com  sua demanda para o Terapeuta, assim como o UKE  projeta sua energia de ataque sobre o TORI

 

A partir dessa demanda do paciente , o terapeuta com seu manejo irá  trabalhar esse momento da melhor forma possível.O mesmo ocorre na prática do AIKIDO onde para cada tipo de ataque do UKE existirá uma chave que o TORI se apropriará.

 

Em outros momentos o terapeuta poderá estar no papel de Uke(atacante) , onde ele fará o movimento inicial em direção ao paciente e esse por sua vez assumirá o papel de  TORI (que recebe o ataque) e reagirá a essa ação do terapeuta de acordo com seu processo pessoal.

 

A questão para Uke e Tori é  poder colocar e trabalhar a energia de ataque e de defesa de forma a provocar o progresso do outro sem ocasionar algum tipo de trauma , seja físico ou emocional.

 

Na clinica o Terapeuta deverá ter a habilidade de receber e de colocar essa energia para o paciente com o mesmo intuito de provocar o progresso em seu paciente.

 

Na prática do AIKIDO é fundamental estar em sintonia com o parceiro, a noção de “KI musubi” (união de energias) a não-oposição depende disto. É a escolha do modo de encontro (de aï) que irá permitir estar em sintonia com o parceiro.

 

Na clinica da Psicologia Biodinâmica o paciente é estimulado a colocar  suas questões e é respeitado em um ambiente seguro que o Terapeuta Biodinâmico promove , é o que a Gerda chama de “amizade com a resistência”.

 

                 “A Psicologia Biodinâmica enfatiza a proposta de fazer amizade com a resistência e dissolver couraças sem quebrá-las, constituindo-se numa abordagem sistêmica que busca o domínio das diversas formas de intervenção verbal ……” (site www.ibpb.com.br)

 

Na prática do AIKIDO , existe o incentivo para que o UKE consiga se colocar de uma forma sincera e segura nos seus ”ataques”, ser sincero não significa ser violento ou mesmo  agressivo, ser sincero é estar inteiro no seu propósito e intenção, de uma forma segura, estruturada e fortalecida do seu querer.

 

O mesmo ocorre por parte do TORI , onde esse aprende  a transformar a energia desse ataque em um movimento de harmonia preservando os aspecto da arte marcial do AIKIDO, cuja meta não é a competição , e sim o sentimento de compaixão, ou  seja, saber que ao projetar o ataque e/ou aplicar a chave podemos machucar seriamente o parceiro, e a proposta do AIKIDO é sustentar a energia firme e forte até o fim sem causar a destruição do outro e sim seu fortalecimento e crescimento, físico, emocional e espiritual, esse é o papel do terapeuta Biodinâmico.

 

Ao iniciar a prática do AIKIDO esses sentimentos por muitas vezes aparecem de uma forma  conflituosa , onde acredita-se que para sermos fortes temos que ser “violentos”.

 

O paralelo que podemos perceber entre o Aikido e a Psicologia Biodinâmica ,é o fato de ambos  preservarem a integridade do parceiro/ paciente de forma a propiciar seu amadurecimento , crescimento emocional, físico e espiritual, onde ambos se beneficiam dessa relação, não existe o vencedor , o que existe é a relação sincera e amorosa.

 

Gerda em seu livro Psique e Soma  retrada essa relação do terapeuta biodinâmico com seu paciente de uma forma muito bem clara, a saber :

 

“O terapeuta biodinâmico deve atingir o ponto em que não tem mais a necessidade de agir seguindo as sua ambição ou tentar exercer o seu poder, ele não é senão amor. O terapeuta biodinâmico sabe reconhecer o fluxo libidinal e sabe como não destrui-lo.” (Boyesen , Gerda-Psique e Soma . pag 138)

 

A postura Biodinâmica

“O amor incondicional que Gerda Boyesen propõe é o da disponibilidade real, genuína, em acolher o outro, de aceitar incondicionalmente – criar um espaço e ter uma espera – se necessário infinita para que o outro possa se aventurar. É o cuidado em não ceifar prematuramente qualquer atitude espontânea. 

É uma rendição ao estado natural (Personalidade Primária ) de cada um, como tentativa de reparação das interrupções sofridas nas formas de expressão desse estado natural. (www.ibpb.com.br)”.

 

A prática permite desenvolver uma estratégia de vencedor/vencedor.

 

Ninguém perde, em especial o Uke(atacante), que pelo domínio  do seu comportamento e dos ukemis (quedas) cai e levanta-se para atacar novamente.

 

Assim como na clínica , o paciente por muitas vezes pode se sentir em um estado de angústia profunda  ao término de uma sessão, essa sensação de desestruturação é o momento da transformação da virada no seu processo pessoal.

 

Uke e Tori não estão face a face num confronto, mas antes lado a lado, confrontados com uma situação que pode ser trabalhada, elaborada em conjunto e da qual ambos saem beneficiados.

 

Gerda ao escrever os conceitos que permeiam a prática da Psicologia Biodinâmica , leva em conta as seguintes situações da postura do terapeuta biodinâmico:

 

“Se o terapeuta objetiva ajudar uma pessoa a se liberar de suas defesa, ele deve saber que, em consequência, a pessoa se tornará mais vulnerável e deverá receber  um apoio total, e sobretudo, não sofrer nenhuma agressão exterior. Em caso algum a pessoa vulnerável poderá ser atacada uma segunda vez ou ser mergulhada novamente na confusão.”

 

            “…..todo terapeuta que trabalha com o mental e o corpo deve ser puro.Isto significa que ele deve estar ali inteiramente para seu paciente e guardar suas próprias necessidades para si mesmo e ou “trabalhar” nelas em seu próprio processo terapêutico.

 

           “ O terapeuta deve estar do lado do paciente e dar apoio a seu inconsciente e à personalidade primária que enterrou há tanto tempo.” ( Boyesen, Gerda , pg 142,Entre Psique e Soma, Summus,1986)

 

Para que a clínica Biodinâmica se desenvolva  da melhor forma possível é fundamental que o terapeuta se envolva no seu processo pessoal, pois sem esse procedimento a sua atuação corre o risco de ficar numa relação muito egóica por parte do terapeuta.

 

           “………o terapeuta deve ser muito puro e não impor nenhum de seus conceitos e nenhum de seus julgamentos. Por essa razão cada um dos estudantes terapeutas em formação deve passar por um processo biodinâmico muito poderoso e profundo.”(Boyesen, Gerda –pg138, Entre Psique e soma ,Summus,1986)

 

Ebah Boyesen comenta em seu texto “A essência da terapia” (Cadernos de Psicologia Biodinâmica – 2) : 

“Um terapeuta ideal para mim, seria alguém que tivesse passado por uma limpeza essencial das toxinas inconscientes dentro de sua própria história pessoal e que ainda possuísse uma fé inquestionável naquilo que constitui a essência do ser humano. Ele/a se dedicaria a possibilitar o alcance dessa essência entre aqueles à sua volta. 

Seria uma pessoa que pudesse permanecer suficientemente distante de uma situação emocional sem perder o acolhimento incondicional de um coração misericordioso”. 

 

Conclusão :

 

Gostaria de encerrar esse trabalho com o principal pensamento que norteia a prática do AIKIDO que contempla o caminho pessoal do paciente e terapeuta no encontro clínico.

 

“ Masakatsu Agatsu Katsuhayabi”

 

Significado:

 

A Verdadeira vitória é a vitória sobre si mesmo, aqui e agora.

 

Algumas interpretações:

 

“Uma coragem inabalável ligada a um esforço inquebrantável”.

“Subjugue sua natureza inferior e você será sempre vitorioso”.

“A verdade o libertará do medo e da falta de confiança”.

 

Bibliografia :

 

STEVENS, John – Os segredos do AIKIDO, SP,Pensamento,1995

Gleason, William – Os fundamentos Espirituais do AIKIDO,SP,Pensamento, 1995

Ueshiba, Kishomaru – O espiríto do AIKIDO, SP, Cultrix,1984

 

Boyesen , Gerda – Entre Psique e Soma, SP, Summus, 1986

Cadernos de Psicologia Biodinâmica 3

Site Instituto Brasileiro de Psicologia Biodinâmica: www.ibpb.com.br

 

2018-05-01T09:30:16+00:00

Leave A Comment